notícias

Coronavírus: Governo do Paraná e Rússia vão assinar acordo para fabricação de vacina

Presidente Vladimir Putin anunciou mais cedo que vacina é a 1ª a ser registrada no mundo; comunidade científica ainda não tem comprovação de sua eficácia. Previsão é que distribuição no Brasil ocorra em 2021, mas Anvisa ainda precisa liberar.

O governo do Paraná anunciou que vai assinar um convênio com a Rússia para produzir a vacina Sputnik V. O anúncio foi feito horas após o presidente russo, Vladimir Putin, divulgar a vacina como a primeira registrada no mundo.

A vacina russa é questionada pela comunidade internacional porque ainda se sabe pouco sobre sua eficácia. O site oficial sobre a pesquisa afirma que, no dia 1° de agosto, os testes de fase 1 e 2 foram concluídos. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que sejam realizadas três etapas de testes.

Segundo o governo do Paraná, o passo seguinte à assinatura do acordo é o compartilhamento do protocolo russo com a Anvisa, para que a agência brasileira libere a realização dos procedimentos necessários para os testes. Jorge Callado, presidente do Tecpar, ressaltou que a pesquisa vai avançar conforme o compartilhamento as informações.

Vacina russa

Após o anúncio do registro da vacina pelo presidente russo, a OMS declarou nesta terça que a Rússia “não precisa de sua aprovação [da OMS” para registrar a vacina. No entanto, a entidade precisará ter acesso aos dados da pesquisa para avaliar a eficácia e a segurança da imunização para poder aprová-la.

Conforme as informações do site da vacina russa, o Brasil vai participar da fase 3 dos estudos clínicos. A Anvisa informou que testes só poderão ocorrer após a liberação da agência. Ainda não há o pedido para isso e nem uma data para ocorrer, ainda conforme a Anvisa.

Leave a Response